Mauricio Lima

Mauricio Lima [São Paulo, Brasil] é um fotógrafo documental independente. Ao longo de mais de uma década, vem desenvolvendo um extenso projeto sobre a vida de pessoas afetadas por crises sociais e conflitos armados, com amplos trabalhos realizados em países como Afeganistão, Brasil, Iraque, Líbia, Portugal e Ucrânia. Atualmente, concentra-se em uma longa documentação sobre a migração dos refugiados do Oriente Médio rumo à Europa. Parte desse trabalho tem sido publicada com frequência pelo The New York Times.

Após os protestos de junho de 2013 no Brasil, Mauricio Lima idealizou o FotoProtestoSP, um coletivo que reuniu cerca de 20 fotógrafos, cujo objetivo era o de disseminar a importância de manifestações de rua como liberdade de expressão em uma sociedade democrática, através de grandes intervenções fotográficas em muros públicos de São Paulo.

Em 2016, Mauricio Lima tornou-se o primeiro fotógrafo brasileiro a receber o prestigioso Prêmio Pulitzer pelo seu ensaio sobre os refugiados em busca de asilo na Europa, após ter sido finalista em 2015 com o trabalho sobre o conflito na Ucrânia.

É detentor de inúmeros prêmios -todos no exterior- com destaque para o World Press Photo [duas vezes], Pictures of the Year International [quatro vezes], Overseas Press Club of America [2016], The Frontline Club Award London [2015], Bayeux-Calvados des Correspondants de Guerre [2006], entre outros. Foi eleito o fotógrafo do ano pelo Pictures of the Year Latin America [2015] e pela revista TIME [2010].

Mauricio Lima é o único fotógrafo brasileiro condecorado com o prêmio Gabriel García Márquez, concedido pela Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano [2004], o mais prestigioso reconhecimento na América Latina.

Com o objetivo de democratizar o acesso à fotografia como um direito a todos, Mauricio Lima decidiu acabar com a tiragem limitada de cópias assinadas de seus trabalhos desde o início de 2016. Suas fotos já foram exibidas em exposições individuais e coletivas no Brasil, Emirados Árabes, Estados Unidos, França e Rússia.

 

Mauricio Lima [São Paulo, Brazil] is an independent documentary photographer. For over a decade, he has developing an extensive project on the lives of people affected by social crises and armed conflict, with extensive works carried out in countries such as Afghanistan, Brazil, Iraq, Libya, Portugal and Ukraine. Lima’s ongoing project is focused on a long-term documentation about the exodus of refugees out of Middle East towards Europe. Part of this work has often been published in The New York Times.

After Brazil’s uprising in June 2013, Mauricio Lima masterminded the FotoProtestoSP, a collective that brought together about 20 photographers, whose goal was to disseminate the importance of street demonstrations as part of freedom of expression in a democratic society through large photographic interventions in public walls of São Paulo’s city.

In 2016, Mauricio Lima became the first Brazilian photographer to receive the prestigious Pulitzer Prize for his essay on refugees seeking asylum in Europe, after being a finalist in 2015 with his work over the conflict in Ukraine.

Lima holds numerous international awards, the World Press Photo [twice], Pictures of the Year International [four times], Overseas Press Club of America [2016], The Frontline Club Award London [2015], Bayeux-Calvados des Correspondants de Guerre [2006], among others. He was named photographer of the year by Pictures of the Year Latin America [2015] and by TIME magazine [2010].

Mauricio Lima is the only Brazilian photographer knighted with the Gabriel García Márquez award, by Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano [2004], the most prestigious recognition in Latin America.

Early in 2016, he decided to put an end on signed limited copies of his work, in order to democratize access to photography as a right to everyone. Lima’s works have been displayed in solo and collective exhibitions in Brazil, France, Russia, United Arab Emirates and the United States.